• Campo aberto

    Cannabis no campus Nossos repórteres percorreram o campus e não tiveram dificuldade em se deparar com o consumo, a olhos vistos, de maconha nos limites da Universidade. Confira a reportagem aqui.
  • Ecos de ’68

    Mesmo com cursos há meses sem representação e com o eterno embate filiados x não-filiados, movimento estudantil (re)acende a veia política de estudantes que nunca se imaginaram em posição de liderança. Aqui.
  • Emergência

    Hospital das Cl�nicas Referência em Cirurgia da Obesidade e Cardíaca, Transplantes e Gestação de Alto Risco, o Hospital das Clínicas da UFPE é vital para os estudantes da área de saúde, mas não atua no atendimento a alunos. Saiba o porquê.
  • “Xerocando”

    Xerox ou fotocópia?Ilegal ou legítimo? Um estudante fotocopia, em média, mil páginas de livros por cada semestre. Entenda como a marca Xerox virou verbo e substantivo na gramática estudantil da UFPE
  • Multimídia

    Acesse aqui os vídeos, fotos e áudios produzidos durante as reportagens
  • 12345

    Saiba com quantas horas de gravação, solas de sapato, chás de cadeira e bloquinhos de anotação se faz uma reportagem. A gente não gosta de matemática, mas contabilizou tudo!
  • Repórteres

    • André Simões
    • Bárbara Siebra
    • camilapimentel
    • Carol Vasconcelos
    • Cecília Santana
    • clarissagomes
    • descampado
    • Glaucylayde
    • Gustavo Maia
    • Guilherme Carréra
    • ineshebrard
    • katianectorres
    • larajornal
    • lucianamartins23
    • luisafsantos
    • mariedelbes
    • Mirella Izídio
    • Mirella Pontes
    • Rafaella Correia
    • Rafael Sotero
    • sofiacostarego
  • Falem mal, mas falem de nós

  • Passaram por aqui

    • 81,604 hits

Cultura nas ondas do rádio

Programa cultural está no ar na Rádio Universitária

por Marie Delbès
marie.delbes@gmail.com

O sinal torna-se vermelho. Três estudantes estão ao vivo na Rádio Universitária 820 kHz AM , para uma hora de programa cultural. Todas as sextas das 14 às 15 horas, Agnelo Câmara, Luciana Amorim e Renata Santana comandam o Pernambuco cantando para o mundo, com bom humor e paixão. A aventura começou no inverno passado, quando Luciana teve a idéia de lançar um programa cultural. Logo depois, dois colegas do 3º período de jornalismo da faculdade Maurício de Nassau juntaram-se a ela. Apesar de ser um rádio pertencente à UFPE e da mesma possuir um curso de Rádio e TV, faltam estudantes para preencher a grade de horários. Assim, alunos de outras faculdades foram recebidos. Sem patrocinadores, nem bolsas, os três jovens se reúnem a cada quarta-feira para partilhar idéias e preparar os três blocos constitutivos de Pernambuco cantando para o mundo. Foi no dia 5 de outubro 2007 que o programa foi transmitido pela primeira vez nas ondas longas da rádio universitária. “Estava ao mesmo tempo muito animada e nervosa, mas tudo deu certo”, recorda Luciana. Agnelo e Luciana aproveitam dos momentos musicais para checar alguns detalhes/ Foto: Marie Delbès

O programa Pernambuco cantando para o mundo valoriza o estado, divulgando músicas, lugares, personalidades pernambucanas e eventos. A produção inicia com a apresentação de um elemento característico da cultura regional com o objetivo de levar o público a visitá-lo. Em seguida, artistas regionais são convidados para entrevistas sobre a cultura local e mais especificamente sobre sua obra. Finalmente, o programa é encerrado com anúncios de notícias culturais. Além disso, entre os blocos, os ouvintes têm a possibilidade de descobrir ou escutar novamente artistas pernambucanos como Alceu Valença, Lenine, Lula Queiroga, Mombojó, Rosana Simpson, Aristides Guimarães. Ganham também espaço os ritmos genuinamente regionais (maracatu, frevo, caboclinho, entre outros) e a literatura nordestina (cordel e escritores como Clóvis Campelo e Paulo Caldas). Agnelo, Renata e Luciana orgulham-se do programa/ Foto: Marie Delbès

Além de ser um bom exercício para estes estudantes de jornalismo, eles afirmam que o programa injeta neles alegria e satisfação por permitir o acesso a um pouco do patrimônio cultural do Pernambuco. “Eu vejo a cultura no estado de Pernambuco riquíssima, mas sem o valor que merece ter, pois muitos pernambucanos não conhecem toda essa diversidade”, comenta Luciana. “As danças, os folguedos, os ritmos, as festas, todas as manifestações culturais de Pernambuco são meios para reforçamos os laços sociais e históricos que nos ligam com o Estado. Fazemos parte deste programa por acreditar que, divulgando as manifestações culturais do Estado, podemos criar uma maior identificação do público com o estado de Pernambuco. O programa Pernambuco cantando para o mundo é esta ponte entre o público e o Estado”, acrescenta Agnelo.

Voltar à matéria principal

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: