• Campo aberto

    Cannabis no campus Nossos repórteres percorreram o campus e não tiveram dificuldade em se deparar com o consumo, a olhos vistos, de maconha nos limites da Universidade. Confira a reportagem aqui.
  • Ecos de ’68

    Mesmo com cursos há meses sem representação e com o eterno embate filiados x não-filiados, movimento estudantil (re)acende a veia política de estudantes que nunca se imaginaram em posição de liderança. Aqui.
  • Emergência

    Hospital das Cl�nicas Referência em Cirurgia da Obesidade e Cardíaca, Transplantes e Gestação de Alto Risco, o Hospital das Clínicas da UFPE é vital para os estudantes da área de saúde, mas não atua no atendimento a alunos. Saiba o porquê.
  • “Xerocando”

    Xerox ou fotocópia?Ilegal ou legítimo? Um estudante fotocopia, em média, mil páginas de livros por cada semestre. Entenda como a marca Xerox virou verbo e substantivo na gramática estudantil da UFPE
  • Multimídia

    Acesse aqui os vídeos, fotos e áudios produzidos durante as reportagens
  • 12345

    Saiba com quantas horas de gravação, solas de sapato, chás de cadeira e bloquinhos de anotação se faz uma reportagem. A gente não gosta de matemática, mas contabilizou tudo!
  • Repórteres

    • André Simões
    • Bárbara Siebra
    • camilapimentel
    • Carol Vasconcelos
    • Cecília Santana
    • clarissagomes
    • descampado
    • Glaucylayde
    • Gustavo Maia
    • Guilherme Carréra
    • ineshebrard
    • katianectorres
    • larajornal
    • lucianamartins23
    • luisafsantos
    • mariedelbes
    • Mirella Izídio
    • Mirella Pontes
    • Rafaella Correia
    • Rafael Sotero
    • sofiacostarego
  • Falem mal, mas falem de nós

  • Passaram por aqui

    • 81,256 hits

Desfrutando as delícias da CEU

Qualquer morador das Casas do Estudante da UFPE além de não se preocupar com contas de água, luz e Internet, possui algumas regalias que só os residentes podem curtir. Todos os moradores recebem uma bolsa por 12 horas semanais que são ocupadas com pequenos serviços nas bibliotecas e centros, em programas de monitoria, projetos de pesquisa ou estágio em sua área. Também têm acesso a serviços médicos, hospitalares, odontológicos, psicológicos e pedagógicos oferecidos pela Universidade, podem fazer um esporte de graça, não pagam taxa para obtenção da carteira de estudante, etc.
São tantos benefícios que o estudante não quer largar mão deles. Luís aponta para os automóveis parados em frente à casa: “Estão vendo esses carros? Não são de visitantes não, são de residentes”, denuncia.
Apesar de ser exigida todo ano a reavaliação das condições que garantem a permanência do aluno na casa, a documentação exige que a família seja carente, não necessariamente o estudante. As assistentes sociais explicam que muitos alunos, principalmente os plantonistas na área de saúde, podem conseguir uma boa condição financeira mas não teriam como provar essa renda já que não são formados e trabalham sem o vínculo profissional, por isso permanecem na casa.

(MI)

*Luís é um nome fictício que a reportagem dessa matéria utilizou para proteger a identidade de sua fonte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: