• Campo aberto

    Cannabis no campus Nossos repórteres percorreram o campus e não tiveram dificuldade em se deparar com o consumo, a olhos vistos, de maconha nos limites da Universidade. Confira a reportagem aqui.
  • Ecos de ’68

    Mesmo com cursos há meses sem representação e com o eterno embate filiados x não-filiados, movimento estudantil (re)acende a veia política de estudantes que nunca se imaginaram em posição de liderança. Aqui.
  • Emergência

    Hospital das Cl�nicas Referência em Cirurgia da Obesidade e Cardíaca, Transplantes e Gestação de Alto Risco, o Hospital das Clínicas da UFPE é vital para os estudantes da área de saúde, mas não atua no atendimento a alunos. Saiba o porquê.
  • “Xerocando”

    Xerox ou fotocópia?Ilegal ou legítimo? Um estudante fotocopia, em média, mil páginas de livros por cada semestre. Entenda como a marca Xerox virou verbo e substantivo na gramática estudantil da UFPE
  • Multimídia

    Acesse aqui os vídeos, fotos e áudios produzidos durante as reportagens
  • 12345

    Saiba com quantas horas de gravação, solas de sapato, chás de cadeira e bloquinhos de anotação se faz uma reportagem. A gente não gosta de matemática, mas contabilizou tudo!
  • Repórteres

    • André Simões
    • Bárbara Siebra
    • camilapimentel
    • Carol Vasconcelos
    • Cecília Santana
    • clarissagomes
    • descampado
    • Glaucylayde
    • Gustavo Maia
    • Guilherme Carréra
    • ineshebrard
    • katianectorres
    • larajornal
    • lucianamartins23
    • luisafsantos
    • mariedelbes
    • Mirella Izídio
    • Mirella Pontes
    • Rafaella Correia
    • Rafael Sotero
    • sofiacostarego
  • Falem mal, mas falem de nós

  • Passaram por aqui

    • 81,256 hits

Estamos seguros na CEU?

Segurança é assunto que preocupa na Casa do Estudante, na UFPE, no Recife.
Os quartos da casa foram alvo de bandidos há alguns anos. Eles entraram por volta de 03h30 da madrugada subiram aos quartos e levaram aparelhos de celular, dinheiro e ainda uma bicicleta que estava no térreo. Há uma guarita na CEU que passa boa parte do dia coberta com um pano azul e sem nenhum vigia ou fiscal. A guarita faria parte de um sistema no qual o aluno teria que se identificar com a carteira de residente para entrar. Um visitante só poderia ter acesso à casa se acompanhado de um xepeiro. Para isso, o portão teria que ser mantido fechado, coisa que não é muito freqüente. O último assalto que aconteceu, o que desencadeou o episódio do telefone cor-de-rosa, foi devido a um descuido de estudante que deixou a chave no portão, de acordo com os vigias. Os seguranças dizem que é complicado defender os residentes de criminosos por que eles são guardas patrimoniais, sendo assim não portam armas.
“Nós estamos muito passíveis a sofrer assaltos. Aqui do nosso lado tem uma comunidade carente e quando há ausência de poder e assistência pública as pessoas ficam propensas a cometerem atos criminosos”, explica Jetson.

(MI)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: